Um projeto médico do doutor Guillén pretende reduzir as lesões musculares

De esquerda.. a drcha), o doutor Pedro Guillén; o presidente do COE, Alexandre Branco; e o da AFE, Luis Rubiales/Foto fornecida pela Clínica Cemtro

Artigos relacionados

Segunda-feira 03.09.2018

Terça-feira 28.08.2018

Sexta-feira 31.08.2018

A pesquisa se realiza dentro de uma Unidade criada especialmente na Clínica Cemtro de Madrid, mas que também conta com a colaboração da Clínica Solk de San Diego (Estados Unidos) e duas espanholas mais como a Universidade Católica de Múrcia e o Clinic de Barcelona.

O estudo, que se realiza primeiramente em pequenos animais como os ratos, porque “leva pouco em se curar”, pretende reduzir as lesões musculares de atletas até a metade do prazo.

“O atleta é o melhor doente que eu já tive, se você quer curar e quer mais. Aprendi que o atleta tem seus problemas nas partes moles, como primeira causa da baixa, e então, já está no osso”, destacou o doutor Pedro Guillen.

“O programa de trabalho está estratificado e realizações, se aparecerem, serão porque nos temos relacionado com a ciência, com sentido crítico, o respeito e veneração. A pesquisa deve ser uma fiel expressão da sociedade. Não pode ser inacessível e só acessível para poucos. A ciência deve ser uma atividade social e humana, e nem exclusiva nem excludente de outros”, disse Guillén.

O doutor Guillén e sua equipe da Clínica Cemtro são os responsáveis do vídeoblog de traumatologia dentro do conjunto de vídeoblogs por especialidades médicas de EFEsalud. Aqui você pode ver todos os seus trabalhos para o nosso site.

AFE: Luis Rubiales

Luis Rubiales, presidente da AFE, apostou em ajudar neste projeto de pesquisa, devido a sua confiança no doutor Guillen e ao seu conhecimento, por sua própria experiência como jogador de futebol profissional, a importância em reduzir esses prazos, as lesões musculares.

“A Guillen o conheci há 21 anos por uma lesão que me imposibilitaba jogar e que eu poderia levar à retirada. Com a sua ajuda consegui jogar mais de dez anos”, disse Rubiales, que se mostrou “confiante em valores, dons e condição humana” do doutor.

“Se algo define a sua condição humana é a generosidade para que uma parte de seu patrimônio você colocar ao serviço da sociedade. Mostrar valores como a perseverança, a empatia, a educação e o desejo de superação com humildade”, confessou Rubiales, que garantiu que o seu “compromisso” com a pesquisa “vai além” deste projeto.

COE: Alexandre Branco

Alejandro Blanco, presidente do Comitê Olímpico Espanhol, mostrou a sua satisfação por este projeto que classificou de “importante para os atletas profissionais” e elogiou o empenho da AFÉ com esta pesquisa.

“Tudo o que fizerdes em AFÉ é importante e que os tenhais envolvido na pesquisa é de valorizar. A formação e assegurar um futuro melhor em qualquer campo tem um valor inestimável”, disse Branco, que também destacou o trabalho do médico Guillen e sua equipe.

“Lograreis bons resultados para o atleta, mas, sobretudo, para a ciência. A capacidade, o conhecimento e a dedicação que tem é de admirar por pessoas que tanto faz por nós”, concluiu Alexandre Branco.

Comitê Paralímpico: Tomás Fernández

Tomás Fernández, responsável médico do Comitê Paraolímpico Português, deu seu ponto de vista sobre o projeto médico de investigação.

“O atleta quer competir e uma lesão muscular se inabilitou, porque em competições curtas ou você joga, ou você vai quebrar. O grande problema é que muitas lesões foram tratados em função da prática habitual, mas tinha pouco conhecimento científico. Se conseguirmos decifrar a melhor partitura, a recuperação vai encurtar o tempo biológico”, confessou.

Atlético de Madrid, Enrique Cerezo

Enrique Cerezo, presidente do Atlético de Madrid, compareceu ao ato, por sua relação de amizade com o doutor Guillen há mais de 35 anos.

“Há todos esses anos, eu gravava as operações já em sua clínica, e posso dizer que sempre a sua vida e a sua obsessão foi a defesa do jogador de futebol”, disse Cerezo.

A assinatura do acordo para o projeto de pesquisa, realizado na Clínica CEMTRO, foram exfutbolistas como Manolo Sanchís, Rubén da Rede, Adelardo, Dani Garcia Lara e Francisco Pavón.

(Não Ratings Yet)
Loading…

Leave a Reply